Medicamento proibido no Brasil é contrabandeado da Argentina

Autor: Everaldo Jacques

Fonte: Central Sul de Jornais – 15/09/2010


Libres: medicamentos abortivos são vendidos a R$ 12



URUGUAIANA – A comercialização do medicamento Cytotec, usado como abortivo, é proibida no Brasil há 10 anos, mas na Argentina, a venda é liberada. Basta atravessar a ponte internacional que liga Uruguaiana a Paso de Los Libres para comprar o composto em qualquer farmácia. No município gaúcho, cada comprimido custa R$ 40 no mercado negro. Conforme a Polícia Rodoviária Federal, desde janeiro de 2010, foram apreendidos 283.882 medicamentos contrabandeados. O titular da 1ª Delegacia de Polícia de Uruguaiana, delegado Jader Duarte, afirmou que foi instaurado um inquérito para investigar o contrabando de medicamentos abortivos entre a Argentina e o Brasil.
O Cytotec é conhecido na Argentina como Oxaprost, um dos nomes comerciais do misoprostol, substância que serve para induzir o parto em gestantes com dificuldades para ter dilatação e expulsar fetos presos no útero após abortos naturais. Apenas um comprimido pode provocar aborto e, dependendo do caso, levar a morte de quem ingere o remédio. Nas farmácias portenhas, o medicamento é vendido fracionado. Uma unidade custa, em média, 25 pesos, equivalente a R$ 12 . A reportagem da Rádio Guaíba adquiriu o produto e, durante a venda, a balconista recomendou que fossem comprados mais abortivos porque, segundo ela, apenas um não seria o suficiente.
A Anvisa informa que comercializar e distribuir medicamentos no Brasil que não tenham registro no órgão é crime previsto no Código Penal e pode levar a 15 anos de prisão. No Brasil, abortar (exceto em caso de estupro ou perigo para a mãe) também é crime e pode resultar em pena tanto para quem pratica quanto para quem ajuda.

Fonte: Luciano Nagel / Rádio Guaíba / Es