Mato Grosso aprimora fiscalização com ferramenta BI NF-e

Por ETCO
28/05/2012

Fonte: TI Inside, 24/05/2012

O Mato Grosso engrossa a lista dos Estados que adotaram o BI NF-e, desenvolvido pela Microsoft e o Instituto Etco, para fiscalização dos contribuintes que emitem a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e).

O sistema permite a integração das informações disponíveis nas bases de dados da Secretaria da Fazenda, que pode fazer os cruzamentos e produzir relatórios analíticos.

“A ferramenta também permitirá a manipulação de dados pelas diversas equipes de análise, de forma a gerar impacto na autonomia, agilidade, produtividade e rentabilidade do trabalho da administração tributária, o que poderá resultar em aumento do recolhimento voluntário do ICMS”, observa Luciney Martins de Almeida Moreira, coordenadora da Unidade de Informatização de Sistema de Negócio da Secretaria da Fazenda.

Com o uso do BI NF-e é possível acompanhar a movimentação das empresas, mapear dados econômicos das macrorregiões do Estado, efetuar análise estratégica da arrecadação do ICMS, cruzar vários dados por segmento ou empresa, entre outras possibilidades.

Em outras palavras, o controle fiscal das operações de compra e venda de mercadorias fica mais eficiente.

De acordo com Carlos Fernando Ortega, gerente de suporte em informações gerenciais em TI da Secretaria da Fazenda, as informações das notas fiscais (compra e venda de mercadorias) serão atualizadas periodicamente no sistema para análises, cruzamentos e combinações de dados.

As notas eletrônicas emitidas e recebidas de 2008 (quando foi implantado o projeto da NF-e) a abril de 2012, no total de 124.097.411, já estão inseridas no sistema.

A Bahia soma, atualmente, 46.310 contribuintes do ICMS que emitem a NF-e 46.310 contribuintes do ICMS, os quais respondem por aproximadamente 63% da arrecadação do imposto no Estado.

O BI NF-e foi desenvolvido para a Secretaria de Fazenda da Bahia, que forneceu o código-fonte para implantação no Mato Grosso.

O sistema está ativo na Bahia desde abril do ano passado e em São Paulo passou a ser utilizado a partir do mês de setembro.