Avanços econômicos

Por ETCO
02/11/2011

Diário do Nordeste – 2/11/2011

São evidentes os avanços econômicos e sociais, alcançados no País, desde o lançamento do plano real, em 27 de fevereiro de 1994, no governo Itamar Franco. Apesar das conquistas nos dois seguimentos, ainda é necessário que sejam desenvolvidas politicas que possam assegurar a estabilidade da economia e superar as carências na área social, que continuam ainda como verdadeiros desafios. Ainda bem que o Brasil é o único país, integrante do Bric, grupo composto pela Rússia, Índia, China e África do Sul, que registrou crescimento econômico, acompanhado de redução das desigualdades sociais, de acordo com o estudo da Fundação Getúlio Vagas- FGV. No período de uma década, a renda real per capita dos mais ricos cresceu 10%, enquanto que a dos mais pobres aumentou 68%.

O levantamento mostra que a taxa de crescimento da renda, dos 20% mais ricos, no Brasil, é inferior a registrada na Rússia, Índia, China e África do Sul. Apesar da diminuição das desigualdades sociais, a Previdência Social brasileira apresentou déficit de 2 bilhões, 419 milhões de reais, em maio de 2011, ocorrendo declínio de 12,2% em relação à igual período de 2010. O acumulado, de janeiro a maio de 2011, registrou um saldo negativo que totalizou 17 bilhões, 622 milhões, segundo o governo federal. Paradoxalmente, a economia informal movimentou 663 bilhões em 2010, o equivalente a 18,3% do PIB no período. A pesquisa foi realizada pelo o Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial, em parceria com a Fundação Getúlio Vagas e foi publicada em 28 de junho de 2011. É de se esperar que, ao final do governo Dilma, a população possa ter, realmente, uma melhor qualidade de vida com a implementação de projetos econômicos e sociais consistentes, possibilitando assim o desenvolvimento nacional de forma sustentável, em todos os níveis. É o que esperamos, pelo menos a partir de agora, haja vista que não mais podemos acreditar em promessas ilusórias de políticos, o que tem sempre acontecido no decorre dos anos. Ainda bem que já podemos observar uma maior conscientização política dos brasileiros.

Ivo Mendes é jornalista e advogado