Derrotada pela pirataria

Por ETCO
13/07/2008

Fonte: Correio Braziliense, 13/07/2008

PiratariaA pirataria domina quase metade do mercado fonográfico
brasileiro e, na capital do país, fez mais uma vítima. Até o final deste mês, a
rede Discoteca 2001, que já foi a maior do ramo, fechará suas duas últimas lojas
na cidade. Em 37 anos de vida, a empresa chegou a ter13 pontos de venda no
Distrito Federal e 120 funcionários. A concorrência desleal com o mercado de
falsificação, no entanto, não permitiu que ela continuasse a vender CDs e DVDs
para os brasilienses. O jeito foi colocar tudo em promoção, preparar as malas e
fechar as portas.

Além da 2001, inúmeras empresas sucumbem à pirataria no Brasil. Pelas
estimativas da Associação Antipirataria Cinema e Música (APCM), a cópia
irregular de CDs e DVDs provocou o fechamento de 3,5 mil pontos de venda no país
e responde por uma queda de 50% no faturamento do mercado fonográfico. “Hoje,
são lançados 50% menos artistas que há cinco anos”, destaca Antônio Borges,
diretor-executivo da APCM. A perda da cultura nacional é o mais grave, ressalta.
O prejuízo não é medido à risca, apenas estimado. Calcula-se que mil pessoas
perdem o emprego no DF a cada ano por causa da falsificação dos discos e
vídeos.

Para 97% dos consumidores adeptos da pirataria, a melhor justificativa é o
preço baixo. Nas lojas, obviamente, esses produtos saem mais caro. Cada CD
comprado traz embutido nele o valor do aluguel do ponto de venda, do salário dos
funcionários, dos custos fixos da loja (conta de água, luz e telefone) e dos
impostos que, nesse caso, chegam a 47,25% do preço final.

Ao se comprar um produto pirata, ao contrário, nenhum desses custos está
incluído. Entretanto, o preço indireto da cópia ilegal, defendem os combatentes
da falsificação, pode ser muito mais alto. “A pirataria engole empregos que
contribuem para o crescimento do país e ainda afasta boas empresas e bons
investidores em detrimento dos sonegadores”, argumenta André Franco Montoro
Filho, presidente-executivo do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial
(Etco).

Internet
Uma pesquisa feita pelo Instituto Datafolha a
pedido da União Brasileira do Vídeo (UBV) no final do ano passado mostrou que a
pirataria no Brasil já caminha por outros trajetos. Além da comercialização nos
camelôs, ela conquista a internet a passos fortes. A proporção de internautas
que aproveitam a rede mundial para baixar filmes e músicas ainda é pequena, de
3%, mas tende a crescer à medida que a banda larga chega a mais lares. Essas
práticas são típicas do público mais jovem, solteiro e de nível superior. Desse
grupo, 28% são estudantes. Nessa lista, Brasília tem a maior quantidade de
usuários que baixam filmes, 12%.

“A pirataria na internet é nossa grande preocupação”, revela Borges. Para
evitar o avanço desse crime, a APCM retira links do ar. No primeiro semestre
deste ano, 161,2 mil links foram tirados da internet sob acusação de apresentar
conteúdo pirata de músicas e filmes ou levar a páginas com esse tipo de
material. No mesmo período do ano passado, esse número havia sido de 15,6 mil. O
crescimento da repressão ultrapassa 900%, mas ainda há um imenso caminho a ser
percorrido pelo Brasil. A capital da República que o diga. A cidade figura na
liderança do ranking das capitais que mais compram DVDs ilegais no país. Dos 17%
entrevistados que assumiram comprar vídeos piratas, 24,59% são brasilienses.



Comércio fora das regras
Pirataria prejudica a
criação de postos de trabalho, a cobrança de impostos e já domina quase metade
do mercado fonográfico no país.

A pirataria
Domina 48% do mercado
fonográfico;
Responde por uma queda de 50% no faturamento do mercado
fonográfico;
Levou 3,5 mil pontos de vendas legalizados a fecharem no
país;
Faz o Brasil deixar de arrecadar R$ 500 milhões;
Provocou o
desaparecimento de pelo menos 80 mil empregos formais;
Diminuiu em 50% o
número de lançamentos de produtos nacionais e a contratação de artistas
locais.

Apreensões*

2007

Brasil:
13.826.050 unidades
Centro-Oeste: 732.016 unidades


2008
Brasil : 21.876.723 unidades
Centro-Oeste:
532.176
Links retirados da internet*
161,2 mil em 2008
15,6 mil em
2007

*Dados para o primeiro semestre de cada ano