Economia subterrânea cresceu pouco acima do mercado formal em 2009

Por ETCO
01/12/2009

Autor: Henrique Gomes Batista

Fonte: O Globo Online – RJ – ECONOMIA – 01/12/2009

RIO – O Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV) informou nesta terça-feira que a economia informal do país cresceu acima da variação da economia formal neste ano. De acordo com o Índice Sobre a Economia Subterânea, feito em parceria com o Instituto Brasileiro Ética Concorrencial (Etco), a variação foi positiva em 0,9% sobre a variação do Produto Interno Bruto (PIB, soma de bens e serviços produzidos no país) entre dezembro do ano passado e junho deste ano. Na variação anual, ou seja, de junho do ano passado a junho deste ano, a economia informal cresceu 22,6% acima da variação do PIB.

– Nos seis meses anteriores, no fim do ano passado, durante o período de maior impacto da crise, a economia subterrânea cresceu fortemente, houve um descolamento em relação ao movimento da economia formal, que desacelerou por causa da queda no crédito. Mas neste ano vemos que as economias formal e a informal estão muito similares – informou o professor Fernando de Holanda Barbosa Filho.

Entre as atividades consideradas no índice, estão as ilegais (prostituição, tráfico de drogas, compra e venda de produtos roubados) e as que são legais mas informais, muitas vezes para se evitar o pagamento de tributos e direitos trabalhistas:


– Tem de tudo aqui, não dá pra dizer que toda a economia subterrânea é ruim. Aqui está o ambulante que, com uma flexibilidade e velocidade incríveis, vende guarda-chuva na porta do metrô minutos após começar a chover. Mas a economia subterrânea é um sintoma de que alguma coisa está errada – opina.

Este índice é calculado levando em conta variáveis como carga tributária, nível de atividade, percepção de corrupção, exportações, rigidez, fração de trabalhadores sem carteira assinada e papel moeda por depósitos. Parte dos dados é obtido com a Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE. No caso da evolução do início deste ano, conta Barbosa Filho, o que mais pesou para a variação positiva do índice foi a percepção de que a corrupção aumentou:


– Esse dado é obtido por uma agência internacional – explicou.

O professor acredita que a economia informal deverá manter um crescimento acima da variação do PIB no segundo semestre de 2009 e no começo de 2010. Segundo ele, isso ocorrerá pois a economia aquecida incentiva também a economia informal e a recuperação da arrecadação federal elevará a carga tributária dará mais atratividade para atividades á margem da lei.

O diretor do Conselho Consultivo do Etco, Marcílio Marques Moreira, lembrou que ainda não é possível dizer com segurança quanto a economia formal representa do PIB – há estimativas muito diferentes, que vão de 11% a 45% da economia. Mas, segundo ele, é necessário conhecer melhor essas realidades:

– Pensamos em fazer um seminário sobre o tema em 2010. Temos que ter uma ponte entre esses dois mundos, que já se relacionam, pois muitas vezes o guarda-chuva que o ambulante vende quando está chovendo foi comprado no mercado formal. Precisamos fazer com que a economia formal perca um poucxo de sua rigidez e que a economia informal caminhe para a formalidade.