Trabalhadores informais movimentaram R$ 578 bi em 2009

Por ETCO
26/07/2010

Fonte: Bonito News (Dourados/MS) – 26/07/2010

A economia informal no Brasil, gerada por trabalhadores que sonegam impostos, movimentou R$ 578 bilhões no ano passado. Esse valor corresponde a 18,4% do PIB (Produto Interno Bruto, soma das riquezas do país), segundo dados divulgados pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) e pelo o ETCO (Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial). Em junho deste ano o índice ficou em 121,8 pontos, em uma escala de zero a 160, no maio resultado desde 2003 – ano que a medição começou a ser realizada. Entre junho de 2008 e junho de 2009, a participação dos informais no PIB cresceu 22,6%, devido à crise financeira. Os analistas explicam que com a diminuição da arrecadação dos impostos devido a crise, houve um estímulo à informalidade, assim como a redução do crescimento mundial e a queda da atividade econômica.

André Franco Montoro Filho, diretor executivo do ETCO, afirmou que o resultado corresponde ao PIB da Argentina. Economia informal é o nome dado à produção de bens e serviços não reportada ao governo com o objetivo de sonegar o pagamento de tributos e contribuições e o não-cumprimento de leis e regulamentações trabalhistas. – Estamos falando de quase R$ 600 bilhões, que ficam à margem da economia formal brasileira. Para dar uma ideia da gravidade desse problema, basta lembrar que a economia subterrânea do Brasil supera toda a economia da Argentina. O estudo divulgado nesta quarta-feira permite ainda que seja feita a comparação dos valores desde o ano de 2003, quando foi iniciada a série de estimativas do índice. No período, os valores passaram de R$ 357 bilhões para os atuais R$ 578 bilhões. Como o PIB teve um crescimento de R$ 1,7 bilhão para R$ 3,143 bilhão, porcentualmente houve uma queda na comparação, de 21% para 18,4% em seis anos. Ou seja, apesar do crescimento da informalidade, a economia formal conseguiu crescer acima dos ilegais.

A informalidade, além das relações com o crime organizado e da precarização das condições de trabalho (com a contratação de funcionários sem carteira assinada), traz prejuízos diretos para a sociedade, com um estímulo à queda na qualidade do investimento, segundo os analistas responsáveis pelo o estudo. Entre as razões apontadas para o crescimento dos informais está o desemprego, já que a dificuldade em se conseguir um emprego com carteira assinada estimula. A corrupção e a alta taxa de impostos cobrados nos produtos também contribuem para o mercado paralelo. O aumento das exportações, que são as vendas de produtos ao exterior, ajuda a combater o problema, já que ela possui influência no PIB.