Contrabando avança em Santa Catarina


Em artigo publicado no jornal Diário Catarinense, no dia 8/11, Edson Vismona, presidente do ETCO, fala sobre o problema do contrabando e o que é preciso para enfrentá-lo.

diario-caterinense

Contrabando avança em Santa Catarina

 

 

O contrabando de cigarros é hoje um dos temas mais graves, e o Brasil é um dos mais prejudicados por conta desse mercado ilícito.
Para se ter uma ideia da extensão do problema, 22% do mercado catarinense de cigarros é dominado por marcas ilegais.

Esse comércio ilícito afeta diretamente a arrecadação de impostos, o desenvolvimento de políticas públicas, a saúde do consumidor e a geração de emprego no Estado de Santa Catarina. No entanto, a situação é ainda mais grave. Trata-se de segurança nacional, pois o crime organizado está dominando as fronteiras dos países da América Latina.

Nesse contexto, o contrabando deixou de ser uma preocupação apenas local e ganhou dimensão continental. Estima-se que, a cada ano, na América Latina, perde-se entre 0,9% e 2% do PIB por causa do comércio ilegal. Para tentar encontrar alternativas para a luta contra esses ilícitos, foi criada a Aliança Latino-Americana Anticontrabando, composta por 15 países.

O primeiro encontro da Aliança foi realizado no início do mês de outubro, em Bogotá, capital colombiana, para debater e estabelecer ações compartilhadas que permitam um maior controle sobre o comércio ilegal de cigarros, têxteis, bebidas, alimentos, plásticos e metais.
A partir das discussões, um plano de ação contra o comércio ilícito foi formalizado e apresentado durante a 25a Cúpula iberoameri-cana de Chefes de Estado e de Governo, que foi realizada na Colômbia, no final de outubro.
Uma das principais causas para o aumento do contrabando é a diferença assombrosa nos preços dos produtos, resultado de políticas tributárias absolutamente desiguais entre os países. Para tentar reverter esse cenário é necessário calibrar as cargas tributária e combater a oferta massiva de produtos ilegais.

Ao participarmos da iniciativa da Aliança Latino-Americana Anticontrabando, identificamos uma oportunidade para que os países envolvidos possam encontrar caminhos para combater a atividade ilícita, que não respeita fronteiras, governos e autoridades policiais.
Sem um trabalho coordenado, dificilmente, conseguiremos vencer esse grande desafio transnacional. Serão publicados neste espaço artigos que tenham entre 2.050 e 2.140 caracteres. O contrabando deixou de ser uma preocupação apenas local e ganhou dimensão continental

 

Compartilhe