Economia “subterrânea” representa 40,23% do PIB brasileiro (O Globo)

Por ETCO
13/03/2008

Autor: Rafael Rosas

Fonte: O Globo, 13/03/2008

SÃO PAULO – A economia “subterrânea”, semelhante à informalidade, atingiu no Brasil no ano passado patamar equivalente a 40,23% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo estimativa do professor austríaco, Friedrich Schneider, catedrático da universidade de Linz. Para ele, o patamar está bem acima do observado em países como a Grécia, onde a informalidade gira em torno de 25% do PIB, Itália e Espanha, ao redor de 20%, França, Alemanha e Holanda, com 10% e Estados Unidos e Suíça, com 8%.


 


De acordo com Schneider, que é especialista em economia “subterrânea”, o pico da participação da informalidade no Brasil foi em 2004, com fatia equivalente a 42,60% do PIB. O professor afirma que para se chegar ao patamar de 20,71%, verificado em 1995, o Brasil precisa de reformas mais profundas nas questões tributária e previdenciária.


 


“Mesmo sem as reformas a economia subterrânea no país deve cair por causa do crescimento do PIB, que acaba trazendo mais pessoas para a formalidade”, pondera Schneider, que prevê fatia de 39,42% do PIB para a economia subterrânea este ano.


 


O consultor do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Vito Tanzi, lembra que parte dos 40% de informalidade projetados para a economia informal acaba sendo captada pelas contas do PIB. Segundo ele, se toda a economia “subterrânea” estivesse fora das contas nacionais, o Brasil seria um país “muito mais rico”.


 


Schneider e Tanzi participaram hoje do seminário internacional Economia Subterrânea – Causas e Conseqüências, promovido pelo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (Etco), no Rio de Janeiro.


 


[Fonte: Valor Online]