Remédios fora da lei

Fonte: Jornal de Londrina – Londrina/PR – 09/12/2010

Uma operação conjunta da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Vigilância Sanitária Municipal e Polícia Federal resultou na prisão de dois donos de farmácia, detidos em flagrante ontem e na última segunda-feira por comercializarem medicamentos falsificados e contrabandeados. A fiscalização termina amanhã e, até ontem, dez estabelecimentos – a maioria no centro da cidade – já haviam sido interditados.

Segundo a Anvisa, a operação foi motivada pelo grande número de reclamações recebidas pelo órgão federal. “Também encontramos estabelecimentos que não tinham a licença sanitária e a licença para funcionar; ou seja, estavam atuando na ilegalidade”, declarou a coordenadora da ação, Lorilei de Fátima Wzorek, especialista da área de inteligência da Anvisa.

Ontem, o proprietário da Farmácia Central, localizada na Rua Souza Naves, próximo da Concha Acústica, na área central, foi preso. Na terça, o dono de outro estabelecimento foi preso. A Anvisa afirmou ao JL que não divulgará o nome dos presos.

No total da operação, foram apreendidos mais de 100 mil comprimidos que estavam sendo vendidos de forma irregular. Nas visitas às farmácias ontem, os fiscais encontraram cem comprimidos do estimulante sexual Pramil e 35 caixas de Viagra falso.

Entre os crimes praticados pelos comerciantes, estão contrabando, tráfico de drogas de medicamentos (já que os envolvidos vendiam remédios controlados) e comercialização de produtos fora do prazo de validade.

“Os medicamentos falsos são produzidos no leste asiático e entram no Brasil pelas fronteiras secas. Não encontramos nenhuma fábrica desse tipo no País. E os medicamentos falsificados, na maioria, são do tipo para emagrecimento, para disfunção erétil e usados com anabolizantes”, comentou a coordenadora da operação.

O Conselho Regional de Farmácia (CRF) informou ao JL que os farmacêuticos envolvidos nas irregularidades apuradas pela Anvisa, Vigilância Sanitária e Polícia Federal, poderão ser punidos. “Dependendo do que for provado, o farmacêutico poderá ser punido – de uma advertência a suspensão de 3 meses a um ano. E até, ser for um caso grave e de reincidência, poderá perder o diploma”, afirmou o vice-presidente do CRF, Dênis Armando Bertolini. A Polícia Federal acompanha a fiscalização com dois policiais para cada uma das quatro equipes que estão na ação em Londrina.

Dicas

Lorilei de Fátima Wzorek, especialista da Anvisa, dá algumas dicas para as pessoas evitarem comprar medicamentos falsificados.

A primeira é não comprar medicamentos com a embalagem aberta, pois é comum a tentativa de vender remédio falso junto com os regulamentados.

Outra dica é não comprar remédios que tenham descrições nas caixas em língua estrangeira. A especialista da Avisa lembra ainda que o cliente deve ficar atento aos estabelecimentos que não deixarem à vista os alvarás de funcionamento e de vigilância sanitária.

Denúncias de irregularidades podem ser feitas pelo telefone 0800 642 9782 ou pelo site da Anvisa (www.anvisa.gov.br). Não é necessário se identificar. (Com informações de Daniel Costa)

 

Compartilhe