Vai dar trabalho

Por ETCO
25/11/2004


Por Nelson Vasconcelos, O Globo (Pirataria S/A) – 25/11/2004


A Receita Federal está comemorando suas recentes ações na fronteira com o Paraguai. A Operação Cataratas, que intensificou o combate à pirataria naquela região desde o início do mês, já teria conseguido até abalar a venda de cigarros piratas em algumas cidades brasileiras. Daí a quantidade de veementes protestos na fronteira, por parte dos comerciantes paraguaios.


O delegado da Receita em Foz do Iguaçu, José Carlos de Araújo, diz que este ano já foram apreendidos, na região, 242 ônibus de turismo ? sem turistas, mas com muita muamba, somando R$ 67 milhões entre janeiro e outubro.


Entre os produtos estão veículos, informática, brinquedos e eletroeletrônicos. Somente os contrabandistas de cigarros, por exemplo, foram autuados em R$ 1,5 milhão. A Receita calcula que, desde o dia 8, quando foi iniciada a Operação Cataratas, houve redução de 80% no contrabando de cigarros. É um mercado poderoso: estima-se que movimenta US$ 5 milhões diariamente. Dólares.


(Antes que alguém reclame, vamos lembrar que outros órgãos participam da operação em Foz: Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Militar, Agência Nacional de Transportes Terrestres, Departamento de Estradas e Rodagens e Anatel).



***


Ontem, o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, foi nomeado integrante do Conselho Nacional de Combate à Pirataria e Delitos contra Propriedade Intelectual, criado no último dia 14 de outubro. Vai ter (ainda mais) trabalho, mas ele tem se mostrado bastante otimista com o combate à pirataria.


? Vamos tirar de circulação mais uns cem ônibus piratas até o fim do ano. E já tiramos umas 500 pessoas do circuito ? diz ele à coluna. ? Com a nossa operação, houve até queda na criminalidade da cidade. Queremos elevar o turismo saudável naquela região.


Otimismo à parte, não vai faltar problema. A resistência é forte, como vimos nas seguidas manifestações na Ponte da Amizade, nome até pouco pertinente para a ocasião, considerando-se o clima quente que tem mobilizado tropas dos dois países.


Será que o Conselho vai mudar algo?


? Temos de ver que os produtos asiáticos não estão agregando nada de positivo, nem ao Brasil nem ao Paraguai. Por isso, o governo e as instituições precisam se organizar. Este é o exemplo que estamos dando com a operação no Paraná ? diz Rachid.


Segundo o secretário, o Conselho terá um papel importante também para o consumidor.


? Acredito que o Conselho demonstra o propósito do governo de trabalhar de maneira articulada, não só entre as suas instituições, o que já tem sido feito de maneira efetiva, mas também com a sociedade. O brasileiro tem que perceber que a pirataria é uma questão prejudicial, danosa à economia. É como diz o pessoal do Instituto Ethos: a única coisa certa com a pirataria é o desemprego.


Uma questão importante, a partir de agora, é reunir forças em vários setores. Falta de pessoal técnico, por exemplo, já nem seria a grande preocupação do secretário:


? Não vejo que o problema seja só de efetivo. Neste momento, temos que trabalhar não só com a nossa força de trabalho, mas também com informação e tecnologia ? diz.


Isto significa investimento. Ou seja: vai dar trabalho.


FIQUE DE OLHO: Especialista em propriedade intelectual, Henrique Gandelman está lançando ?O que você precisa saber sobre direito autoral?, pela Editora Senac Nacional. Com perguntas e respostas, analisa os princípios gerais da legislação, diferenças entre marcas, registros e patentes, e os principais tratados internacionais que regulam a matéria. Também estão em pauta assuntos como proteção das criações publicitárias, webdesign, obras audiovisuais, fotográficas e cópias autorizadas.

RELACIONADAS