Professor, pra que serve a ética?

clique aqui_revista1

Projeto do ETCO busca despertar a reflexão sobre o tema em escolas de todo o País.  Primeira parceria foi firmada em a Secretaria de educação de São Paulo

 

 

img1_ética para jovensUma das principais iniciativas do ETCO em 2017 é o projeto Ética para Jovens, que busca unir o Instituto a redes de escolas, especialmente as públicas, para estimular reflexões sobre comportamento ético entre os estudantes. O programa foi lançado no dia 19 de junho, em evento na Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, com quem o ETCO firmou a primeira parceria para levá-lo às escolas. E contou com o apoio da Ouvidoria Geral do Estado de São Paulo e do Conselho da Transparência da Administração Pública paulista.
O foco principal do projeto são professores e estudantes do ensino médio ou dos últimos anos do ensino fundamental – o que, só na rede pública estadual de São Paulo, representa mais de 2 milhões de alunos. O objetivo é simples: propor a professores e alunos que  dediquem algumas aulas a atividades que estimulam o pensamento crítico e a tomada de consciência sobre a importância da ética na sociedade. Para isso, o ETCO fez estudos para definir a melhor forma de impactar os jovens, contratou especialistas para preparar material de apoio aos professores e está investindo na busca de novas parcerias como a que foi firmada em São Paulo e na divulgação do projeto, para gerar a adesão de professores e ampliar seu alcance.
O presidente executivo do ETCO, Edson Vismona, conta que o projeto atende a uma responsabilidade que lhe foi atribuída pelo Conselho de Administração do Instituto em 2016, quando foi escolhido para o cargo. “Me pediram para que, além de continuar atuando em defesa da ética concorrencial, reforçasse um dos fundamentos do ETCO, que é a defesa da ética em termos mais amplos. Nesse sentido, escolhemos os jovens como nosso público-alvo: afinal, não há como transformar os padrões éticos do Brasil sem dar atenção especial à formação das novas gerações”, explica Vismona.

PRINCIPAIS OBJETIVOS
A partir do trabalho com os jovens, o projeto busca levar o debate sobre a importância da ética a toda a sociedade. O primeiro passo foi entender o que esse público pensa sobre o tema. Para isso, o Instituto contratou uma pesquisa do Datafolha, que trouxe diversas revelações valiosas. Constatou, por exemplo, que os jovens têm consciência de que o problema da falta de ética não se restringe “aos outros”, mas afeta também seus círculos mais próximos. A nota pior é dada aos outros: 90% consideram “a sociedade” pouco ou nada ética e 74% julgam a mesma coisa em relação aos amigos. Mas a avaliação sobre a própria família e sobre si mesmos também é majoritariamente negativa: 57% em ambos os casos. A pesquisa apontou também que os professores são um importante referencial ético para os jovens. Eles receberam a segunda melhor nota nesse quesito, atrás apenas dos bombeiros. Outra revelação importante foi a opinião dos jovens sobre que tipo de ação pode ter mais impacto na mudança do padrão ético dos brasileiros e na construção de uma sociedade mais honesta. Entre várias possibilidades, a mais indicada foi a proposta de estimular mais conversas e debates sobre o tema, seja em casa, com a família, seja nos ambientes de contato com os amigos – o que inclui a escola. “A pesquisa Datafolha consolidou a nossa crença”, afirma Vismona. “Concluímos que o ETCO poderia gerar um efeito multiplicador ao engajar os educadores, que são vistos como um dos maiores referenciais de ética dos jovens, na iniciativa de incluir ou ampliar a discussão desse tema com seus alunos.”

Clique aqui e acesse a pesquisa completa
ROUBOU OU SALVOU UMA VIDA?

O passo seguinte foi criar um material que pudesse auxiliar os professores nessa tarefa. O ETCO contratou uma equipe especializada para produzir e disponibilizar na internet um conjunto de sugestões de atividades sobre ética para sala de aula. Esse trabalho foi envolvido por uma série de cuidados, a começar pela determinação de não criar um guia de “lições de moral”, como conta a consultora Denise Hirao, responsável pela elaboração do material. “Não tivemos a pretensão de ´ensinar ´ o que é ou não ético. Criamos atividades com o objetivo de provocar a reflexão dos jovens sobre como formulam os seus próprios parâmetros éticos e as razões pelas quais obedecem ou não a eles”, ela explica. Outra preocupação foi criar propostas de aula interessantes para os jovens com base nas recomendações pedagógicas mais atuais. Nesse sentido, buscou-se aproximar o tema à realidade dos alunos e utilizar recursos modernos como charges e enredos que promovem a participação dos estudantes e a interação entre eles. Em uma das atividades, por exemplo, os jovens se dividem em diferentes grupos para julgar a ação de uma funcionária pública que desviou um medicamento de um posto de saúde para salvar a vida de uma vizinha. Em outra, se deparam com o dilema entre deixar de comprar livros didáticos para todos os alunos ou recorrer a vendedores que cobram preços bem menores, mas adotam práticas criminosas. Temas como corrupção, bullying e direitos humanos também estão presentes no material.
Para os próximos meses, o desafio é ampliar o alcance do projeto. Na Secretaria da Educação de São Paulo, o projeto conta com amplo apoio. O secretário estadual, Renato Nalini, fechou parceria com o ETCO prevendo várias iniciativas para difundir as atividades nas escolas paulistas. “Estimular reflexões sobre a ética entre os jovens é uma missão extremamente importante”, avalia Nalini.
O primeiro evento dessa parceria ocorreu juntamente com o lançamento do projeto: um debate sobre ética na escola que reuniu nomes como o secretário Estadual de Educação Adjunto, Francisco José Carbonari, o Ouvidor Geral do Estado de São Paulo, Gustavo Ungaro, e os educadores Eunice Prudente e Adriano Marangoni, além do presidente do ETCO.
O lançamento do projeto e os resultados da pesquisa feita pelo Datafolha foram divulgados por diversos veículos de comunicação, ajudando a ampliar o seu impacto e a atrair o interesse de outros órgãos de educação.
A expectativa é que novas parcerias sejam fechadas no segundo semestre e que a iniciativa seja difundida por todo o país.

PARA PROFESSORES E ALUNOS

As atividades que o ETCO criou para estimular o debate sobre ética em sala de aula estão disponíveis no site www.eticaparajovens.com.br

 

Compartilhe