Escola Legal realiza fórum para conscientização de educadores

O mês de setembro marcou a realização do VI Fórum de Conscientização de Educadores no Combate à Pirataria, como parte das atividades do Projeto Escola Legal em 2012. Para atender ao grande interesse dos educadores em participar, o Fórum foi dividido em três etapas, realizadas em datas distintas e que contaram com mais de 150 participantes no total.

Realizada no dia 1º de setembro, a primeira etapa do VI Fórum de Conscientização de Educadores no Combate à Pirataria teve como tema “Direitos Autorais e Propriedade Intelectual X Pirataria”. O assunto, de grande relevância, foi escolhido para dar início ao evento, que faz parte das atividades de 2012 do projeto e que tem por objetivo oferecer conteúdo e informação a educadores das redes pública e privada de ensino, com vistas a conscientizar a sociedade, por meio da comunidade escolar, sobre os malefícios da pirataria.

O evento contou com palestra de Frank Caramuru, diretor da Business Software Alliance (BSA) no Brasil, que falou sobre o perigo dos produtos piratas e prejuízos que eles causam à sociedade, ao governo e às empresas. Em seguida, Sirlei Côrtes, representante da Motion Picture Association (MPA), deu seu depoimento sobre o impacto da pirataria para o setor de filmes. Além disso, foi apresentado o documentário “Cidade Livre de Pirataria”, produzido em parceria com a Prefeitura de São Paulo, através da Secretaria de Segurança Urbana, sobre como a cidade está agindo para combater esse crime. A primeira etapa do evento contou ainda com uma Oficina de Educadores.

Já a 2ª Etapa do Fórum, no dia 15 de setembro,  teve como o tema “Saúde e Medicamentos X Pirataria”, discutido em palestras e depoimentos de empresas e entidades da área.

Karen Watanabe, representante do ETCO, abordou os malefícios da pirataria para a sociedade e apresentou dados e estatísticas de alguns setores mais afetados pela falsificação e pelo contrabando. A especialista de proteção a produto da Eli Lilly do Brasil, Mônica Hattori, que também representou a Interfarma (Associação das Indústrias Farmacêuticas e de Pesquisa), falou sobre os riscos da pirataria de medicamentos para a saúde de pacientes, além de mostrar os mecanismos de prevenção e diferenciação entre medicamentos originais e falsificados, ajudando os educadores a esclarecerem uma série de dúvidas.

O terceiro painel, ministrado pelo gerente de Segurança Corporativa da Pfizer, Alberto Santos, complementou a palestra de Mônica ao ressaltar a ligação das quadrilhas criminosas com a pirataria de medicamentos e a questão dos altos lucros obtidos pelos criminosos que falsificam remédios.

Para fechar o ciclo, foi realizada a terceira etapa, no dia 29 de setembro. Em discussão, o tema “Sustentabilidade e Meio Ambiente X Pirataria”. Marcio Furrier, gerente de Desenvolvimento de Negócios da HP, apresentou ações sustentáveis da companhia, como reciclagem e reaproveitamento dos suprimentos de impressão, e a importância dessas ações para prevenir ou evitar impacto ao meio ambiente. Furrier também explicou quais itens de segurança devem ser avaliados na hora da compra e como diferenciar uma embalagem original da HP de uma falsificada.

Em seguida, houve palestra do gerente de Projetos do Departamento de Ambiente Urbano do Ministério do Meio Ambiente, Sr. Ronaldo Hipólito Soares, que falou sobre o Plano Nacional de Resíduos Sólidos.

Mais informações sobre o Projeto Escola Legal e o VI Fórum de Conscientização de Educadores no Combate à Pirataria estão disponíveis em http://www.projetoescolalegal.org.br/

 

Compartilhe