Campanha “O Brasil que nós queremos” alerta para impactos e perigos da pirataria

O objetivo é conscientizar a população de que o contrabando e a pirataria retiram recursos de áreas essenciais – como saúde, educação e segurança – e geram recursos para o crime organizado. O deputado Efraim Filho (DEM-PB) comenta

“Vai um óculos baratinho aí, doutora? Compra aqui na minha mão!” A venda é feita à luz do dia, sem cerimônia. Os produtos piratas invadiram as ruas do país. São brinquedos, CDs, vestuário e tantos outros produtos que trazem impactos negativos à economia e risco à saúde.

No combate ao crime, a Frente Parlamentar Mista de Combate ao Contrabando e à Falsificação e o Movimento Nacional em Defesa do Mercado Legal Brasileiro, liderado pelo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial e o Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade, vão lançar, em Brasília, a campanha “O Brasil que nós queremos”.

O movimento e a frente parlamentar vão trazer ao Congresso a miniexposição “Cidade do Contrabando”, que simula todas as benfeitorias possíveis se o contrabando e o comércio de produtos ilegais fossem extinguidos e o dinheiro investido para construção do Brasil que nós queremos.

Para apresentar todos os detalhes, o Com a Palavra entrevistou o coordenador da frente parlamentar e autor de projeto que prevê medidas de prevenção e repressão ao contrabando, deputado Efraim Filho, do Democratas da Paraíba.

Segundo o parlamentar, além da preocupação com o crime em si, o movimento pretende mudar a cultura e conscientizar a população de que o contrabando e a pirataria retiram recursos de áreas essenciais, como saúde, educação e segurança; e geram recursos para o crime organizado. Para o deputado Efraim Filho, uma das soluções para o fim do crime de contrabando seria a racionalização e a desburocratização do sistema tributário.

Na entrevista, Efraim Filho também comentou a operação da Polícia Federal que, nesta quarta-feira, cumpriu mandados de prisão contra cinco conselheiros do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro. Segundo o deputado, essa operação reforça o papel das instituições e acaba com o estigma de que a Justiça não funciona para todos.

Apresentação – Elisabel Ferriche e Lincoln Macário
Fonte: Rádio Câmara (29/03/2017)

Compartilhe