Combustíveis registram 1,76% de adulteração. Só o álcool foi 3,3%, 8º maior

Por ETCO
20/10/2009

Fonte: Portal Az – PI – 20/10/2009


Quase dois anos sem fiscalização, por falta de renovação no convênio com o Lapetro – da Universidade Federal do Piauí (UFPI), a Agência Nacional de Petróleo (ANP) voltou a registrar venda de combustível adulterado no Estado. Foram analisadas 227 amostras de combustíveis em setembro, tendo sido encontradas não-conformidades em quatro delas (1,76%), como aponta boletim mensal de qualidade feito pelo órgão.

Conforme o levantamento, o índice de adulteração da gasolina no mês passado no Piauí foi de 1%, quase o mesmo que o índice nacional: 1,4%. A taxa de diesel adulterado no Estado ficou na casa dos 2%. Já o índice de não-conformidade do álcool, nos postos piauienses em setembro, foi de 3,3%, o terceiro da região Nordeste e o oitavo de todo o país. Em relação à média nacional (1,6%), o percentual do Estado foi quase o dobro.

Os dados de adulteração dos combustíveis no Piauí, segundo o boletim, ainda tem o agravante de ter sido calculado apenas em um único mês: setembro. Todos os outros resultados citados na pesquisa são referentes ao trimestre julho/agosto/setembro. Mas, em função do novo contrato com a UFPI só ter sido assinado no dia 1º de setembro, não foi monitorado nos meses passados, diz nota da ANP.

De acordo com os números, o álcool piauiense vendido nas bombas dos postos de combustíveis só não é mais adulterado que os seguintes estados: Roraima (60%); Acre (50%); Rondônia (22,4%); Amazonas (6,4%); Mato Grosso do Sul e Paraíba (4,3%, ambos); e Maranhão (4,1%). O diretor da Lapetro, professor Fontenele, não foi localizado para comentar os índices.